Este site usa cookies para garantir que você obtenha a melhor experiência.

SERGS Debates trata sobre a importância da plataforma BIM na construção civil e nas obras de infraestrutura no RS

25/11/2021 às 14h00

O evento acontece na terça-feira (30). Entre os palestrantes, está o diretor regional do SENGE, Cícero Rodrigues Sallaberry.

 

Na terça-feira (30), das 9h às 12h, acontece mais uma edição do SERGS DEBATES tratando sobre a importância da plataforma BIM na construção civil e nas obras de infraestrutura no RS. Entre os palestrantes, está o diretor regional do SENGE, Cícero Rodrigues Sallaberry.

O evento também reunirá representantes dos governos estadual e municipal, responsáveis pela organização de grupos de trabalho visando criar um forum de discussão sobre este tema, , com vistas à implementar a plataforma BIM no RS, bem como as organizações diretamente envolvidas com a matéria.

Para debater este importante tema e apresentar as suas contribuições e cases de sucesso, partcipam:

Eduardo Cunha da Costa - Procurador Geral do Estado do RS
Cláudio Gastal - Secretário de Estado de Planejamento, Governança e Gestão – SPGG do RS
Luis Lamb - Secretário de Estado de Inovação, Ciência e Tecnologia do RS
Luiz Carlos Pinto Silva Pinto – Secretário Municipal de Inovação de Porto Alegre
Deborah Goldenberg - Secretaria de Estado de Planejamento, Governança e Gestão – SPGG  - Grupo de Trabalho que trata dos temas relacionados à implementação e à adoção da tecnologia BIM 
Marcus Eduardo de Andrade Weber - Secretaria de Estado de Planejamento, Governança e Gestão – SPGG - Grupo de Trabalho que trata dos temas relacionados à implementação e à adoção da tecnologia BIM
Estilac Martins Rodrigues Xavier – Presidente do TCE – RS
Maria Fernanda Costa Moraes – Auditora Pública Externa do TCE – RS
Carlos Torres Formoso – Programa de Pós Graduação em Engenharia Civil, Construção e Infraestrutura - PPGCI da UFRGS
Luciani Somensi Lorenzi –  Chefe Substituta do Departamento de Engenharia Civil DECIV da UFRGS e Coordenadora do Instituto de Desempenho de Edificações da UFRGS
Uziel Cavalcanti de Medeiros Quinino – Membro do Projeto Institucional de Modernização vinculado ao Programa Brasil-Estados Unidos de Modernização da Educação Superior na Graduação (PMG-EUA / Capes-Fulbright-CNE) pela Universidade do Vale dos Sinos -UNISINOS
Fernanda Pacheco – Coordenadora da Pós Graduação em Patologia e Perícia das Edificações na UNISINOS
Bruno Giugliani - Representante da PUCRS no Fórum BIM Sinduscon - RS. Coordenador e membro do Comitê Gestor
Paulo Sanchez – Líder de projeto da Comissão de Materiais, Tecnologia, Qualidade e Produtividade – Comat  da CBIC, sobre “Disseminação do BIM
Roberto Sukster – Vice-presidente do SINDUSCON – RS
Claudio Teitelbaum – Vice-presidente do SINDUSCON – RS
Pedro Tedesco Silber – CEO da Construtora Tedesco - Grupo HTB
Joaquim Haas – Joaquim Haas e Jorge de Jesus Arquitetos Associados
Sérgio Diogo da Silva – Diretor da Sanidro Instalações Hidráulicas Ltda
Nanci Walter – Presidente do CREA- RS
Cezar Augusto Pinto Motta - 1º Vice-Presidente do CREA-RS
Cezar Henrique Ferreira - Presidente do SENGE – RS
Rafael Sacchi – Presidente do SICEPOT-RS
Júlio Moretti Gross – Presidente do SINAENCO – RS
Vicente Brandão – Presidente da ASBEA – RS
Tiago Holzmann da Silva – Presidente do CAU-RS
Zélia d'Azevedo - Coordenadora de Projetos na STE – Hubittat - Laboratório de Inovação em Infraestrutura, Mobilidade e Sustentabilidade

 

Em 3 de abril 2020 foi publicado o Decreto 10.306/2020, que impõe a utilização obrigatória do BIM para obras públicas. Dentre outras ações, o decreto criou o CG-BIM – COMITÊ GESTOR DO BIM, de caráter permanente e também sob a liderança do SDIC/SEPE/ME, que tem como principal incumbência empenhar todos os esforços para garantir a implementação da estratégia de adoção do BIM no Governo Federal que foi desenvolvida, definida e documentada pelo CE-BIM. A estratégia estipulou três datas principais para os níveis gradativos de exigibilidade do BIM no âmbito do Governo Federal: 2021, 2024 e 2028.

A modernização e o aumento da taxa com ganhos de produtividade são primordiais para a indústria da Construção Civil no Brasil. Incorporar novas tecnologias, materiais, sistemas e processos construtivos configura-se como um caminho de mão única, em que todos os agentes administrativos na construção, públicos ou privados, devem conjugar esforços para avançar na mesma direção. Inovações como a Modelagem da Informação da Construção ou BIM (Building Information Modeling) são vetores essenciais para uma mudança e quebra de paradigmas em um setor intensivo em mão de obra com forte impacto social.

Os benefícios do BIM são diversos, tais como: maior precisão de projetos (especificação, quantificação e orçamentação); possibilidade de simulação das diversas etapas da construção, permitindo uma identificação e eliminação de conflitos antes mesmo da construção e diminuindo retrabalhos e desperdícios (resíduos); disponibilização de simulação de desempenho dos elementos, de sistemas e do ambiente próprio construído; gestão mais eficiente do ciclo de obra; diminuição de prazos e custos; e maior consistência de dados e controle de informações e processos, publicando em maior transparência nas contratações.

Estudos comparativos internacionais mostram que, além da infraestrutura (equipamentos, software, capacidade de tráfego de dados) e do arcabouço técnico e institucional, é fundamental a participação do governo, enquanto agente regulador e demandante de projetos e empreendimentos da construção nas mais diversas áreas.

Portanto, mais do que uma inovação para o mercado, a disseminação do BIM deve se constituir como uma estratégia de governo para alavancar a industrialização do setor da construção e, com isso, obter resultados significativos em termos de produtividade, sustentabilidade, controle, transparência e otimização da alocação de gastos públicos com obras.

 

O evento poderá ser acessado através do link meet.google.com/nox-geuv-qaj .  

Também será transmitido via YouTube através do link: http://sociedadedeengenhariars.com.br/LIVE/.

 

 

Leia Também