Este site usa cookies para garantir que você obtenha a melhor experiência.

Plenária aprova Carta do XI Conse e moções

29/09/2021 às 09h30

A atividade marcou o encerramento exitoso desta 11ª edição do Congresso Nacional dos Engenheiros. Ao final dos trabalhos, foi apresentada a nova diretoria da Federação Nacional dos Engenheiros (FNE), eleita para o triênio 2022-2025, e foi realizada a leitura da Carta do XI Conse. Saiba mais.

 

Na manhã de sexta-feira (24) ocorreu a plenária dos delegados do XI Congresso Nacional dos Engenheiros (Conse). No ensejo, foram aprovadas diversas moções e a carta do evento, em debate amplamente democrático. A atividade marcou o encerramento exitoso desta 11ª. edição, que teve início em 22 de setembro. Ao final dos trabalhos, foi apresentada a nova diretoria da Federação Nacional dos Engenheiros (FNE), eleita para o triênio 2022-2025, com a recondução de Murilo Pinheiro à presidência.

Ele abriu a plenária com homenagem aos engenheiros Manuel José Vieira de Menezes, diretor da FNE, e Paulo Guimarães, diretor-geral da Mútua – Caixa de Assistência dos Profissionais do Crea, que faleceram neste ano por complicações decorrentes da Covid-19. Assim, foi feito um minuto de silêncio.

Debate democrático

Na sequência, iniciaram-se os trabalhos. Murilo lembrou o momento difícil por que o País passa, em meio a crises sanitária, socioeconômica e política, e destacou: “A saída é através da tecnologia e da engenharia. Temos obrigação de discutir questões de interesse nacional e reafirmar nosso protagonismo. Para tanto, manter nossa engenharia unida, cuja articulação da área tecnológica provou sua importância ao desenvolvimento e crescimento do Brasil. Temos que perseguir cada vez mais essa união. Isso é fundamental.”

O presidente da entidade também fez breve balanço do XI Conse, realizado pela primeira vez de forma virtual em função da pandemia: “A participação foi muito além de que esperávamos. Discutimos energia e água, financiamento e representatividade do sindicalismo, em que pedimos que as centrais mostrassem o que está sendo feito na unidade de ação. Tivemos a presença do professor Marcelo Zuffo falando de 5G e tecnologias exponenciais, um cientista, um gênio que disse que quer estar ao nosso lado. Um ganho de qualidade. As pessoas ficaram até o final, e todas as falas foram propositivas, voltadas ao crescimento e à engenharia. Temos que entender a força e potência de nossa federação.”

Ele continuou: “Na abertura contamos com a presença de ministros e outros representantes do Executivo, além do Legislativo e Judiciário. Aos senadores pedimos para levar à frente o projeto de lei relativo à implementação da carreira de Estado para engenheiros. Todos se comprometeram. Entendemos que esse é o caminho.”

Após sua fala, o diretor operacional da federação, Flávio Brízida, apresentou atualização no estatuto da entidade para incluir quatro novas diretorias de departamentos (assuntos estratégicos, relações jurídicas e legislação, ação social e cidadania, meio ambiente e sustentabilidade), de modo a garantir ainda mais eficiência à FNE, o que foi aprovado pela plenária por unanimidade.

Diretor de Relações Internas, José Luiz Bortoli Azambuja frisou a importância dessa alteração para conferir “mais agilidade ao trabalho da federação e recolher mais contribuições em áreas nas quais a engenharia é fundamental”. Também destacou que a atualização no estatuto deve representar avanço no acompanhamento de projetos de lei de interesse da categoria que tramitam no Congresso Nacional. “Travamos a batalha pela manutenção do salário mínimo profissional de forma muito competente e fomos vitoriosos. O esforço da engenharia unida demonstrou ser fundamental.”

 Apresentação e aprovação de moções

Na sequência, foram apresentadas pelos delegados do XI Conse, discutidas e aprovadas várias moções, como de repúdio à venda de ativos da Eletrobras, à Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 32/2020, relativa à chamada reforma administrativa, que acaba com a estabilidade do funcionalismo em detrimento da prestação de serviços públicos, e à Lei 14.026/2020, relativa ao novo marco legal de saneamento básico, que concede espaço privilegiado à iniciativa privada nas ações do setor.

Também foram aprovadas moções de apoio à volta das ferrovias e intermodalidade e à realização de atividades pelo Bicentenário da Independência e Semana de Arte Moderna de 2022 na perspectiva de construção de uma nação que garanta qualidade de vida a todos os brasileiros. Teaser de lançamento desse projeto da Confederação Nacional dos Trabalhadores Liberais Universitários Regulamentados (CNTU), à qual a FNE é filiada, foi exibido ao final da plenária (confira vídeo aqui).

Confira aqui as moções aprovadas.

A plenária trouxe ainda contribuições ao programa de gestão da nova diretoria, como empenho à implementação de Frentes Parlamentares de Engenharia nos estados, fortalecer o debate sobre a relação com o Sistema Confea/Crea e dar continuidade à realização de cursos online voltados à educação continuada e reciclagem tecnológica, além de sugestões de novas atividades sobre temas de interesse da categoria e fóruns de debate.

A importância de atualização do projeto “Cresce Brasil + Engenharia + Desenvolvimento”, iniciativa da FNE que propugna por desenvolvimento nacional sustentável com inclusão social, também foi ressaltada no ensejo.

Ao final, Carlos Bastos Abraham, diretor administrativo da FNE, fez a leitura da Carta do XI Conse. Após sua discussão e contribuições, o documento foi aprovado por unanimidade.

“Esta é a maior federação de classe do País e da América Latina. Obrigado a cada um dos participantes pelo excelente congresso. Quero afirmar minha alegria com o resultado. Com otimismo, determinação, vigor e coragem, vamos, cada vez mais, ampliar a participação de nossa entidade na vida nacional. Saúde, saúde e saúde”, concluiu, emocionado, Murilo Pinheiro.

 

Redação: Soraya Misleh/Comunicação Seesp

 

Acesse aqui a Carta do XI Conse na íntegra.

Clique aqui e confira álbum de fotos da plenária do congresso.

 

LEIA TAMBÉM:

 

MURILO PINHEIRO É REELEITO PARA A PRESIDÊNCIA DA FNE

O presidente do SENGE-RS, Cezar Henrique Ferreira, e os vices José Luiz Azambuja e Diego Mizette Oliz também compõem a nova gestão da Federação Nacional dos Engenheiros para o período de 2022-2025. Confira a nominata.  

 

 

ENGENHEIROS INICIAM CONGRESSO DEFENDENDO RETOMADA DO DESENVOLVIMENTO E VALORIZAÇÃO

 

CONGRESSO NACIONAL DOS ENGENHEIROS DEBATE O FORTALECIMENTO DAS ENTIDADES SINDICAIS

 

ESCASSEZ HÍDRICA, APAGÃO E ENERGIA AINDA MAIS CARA ASSOMBRAM O BRASIL

 

5G E TECNOLOGIAS EXPONENCIAIS: RISCOS E OPORTUNIDADES NO BRASIL

 

 

 

Leia Também