Este site usa cookies para garantir que você obtenha a melhor experiência.

NOTA DE PESAR : EURICO TRINDADE DE ANDRADE NEVES | 1920 – 2021

21/01/2021 às 14h00

Professor da UFRGS, o engenheiro gaúcho deixa um inestimável legado em conhecimento, competência e honestidade.


O Sindicato dos Engenheiros comunica com profundo pesar o falecimento aos 101 anos do professor e engenheiro Eurico Trindade de Andrade Neves, ocorrido no último sábado (16).

Cidadão Honorário de Porto Alegre, natural de Rio Grande, Andrade Neves ainda criança veio com a família para a Capital, onde estudou nos colégios Anchieta e Júlio de Castilhos e graduou-se em Engenharia Civil, Mecânica e Elétrica pela UFRGS, onde foi professor na Escola de Engenharia por 44 anos.

Em 1955, foi nomeado conselheiro do Tribunal de Contas do Estado pelo governador Ernesto Dornelles, cargo que ocupou durante 35 anos, e que presidiu por três mandatos entre 1957 e 1975.

Sócio fundador da seção gaúcha da Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental (ABES-RS), Eurico Trindade de Andrade Neves foi um dos primeiros autores no Brasil a escrever livros de hidráulica em língua portuguesa, conforme destacou o site da entidade.

Também foi secretário de Obras e Habitação do Estado e engenheiro do quadro da própria secretaria. Em 1943 iniciou o plano de saneamento do Estado, tendo colaborado ou, mesmo, sido autor dos projetos de abastecimento de água de Rosário do Sul, São Borja, Vacaria, Bento Gonçalves, Tramandaí, Santa Cruz do Sul, Rio Pardo, Passo Fundo, Canoas, Novo Hamburgo e Santa Maria. Deixou trabalhos publicados, entre os quais “Curso de Hidráulica”.

Ao lamentar a morte de Eurico Trindade de Andrade Neves e reconhecer o valor do trabalho diferenciado desenvolvido por ele na Engenharia do Rio Grande do Sul, a engenheira Nanci Begnini Giugno, diretora de Qualificação Profissional do SENGE-RS afirma que “ele foi um professor exemplar”. Nanci vai além ao considerar o livro “Curso de Hidráulica”, que teve sua

primeira edição em 1960, “é ainda uma referência em todo o Brasil”. E conclui lembrando que “centenas de engenheiros tiveram a oportunidade de ouvi-lo e com ele se tornarem bons profissionais e melhores pessoas. Guardo até hoje esse livro como uma verdadeira relíquia.”

 

Leia Também