SENGE-RS mobilizado em consulta pública do MEC sobre alteração curricular e atribuições de Agronomia

05/08/2009 às 00h00

SENGE-RS mobilizado em consulta pública do MEC sobre alteração curricular e atribuições de Agronomia

O SENGE-RS mobilizou os engenheiros e entidades gaúchas para postagem de documento no site do MEC, referente à consulta pública sobre alterações nos currículos de cursos da engenharia, particularmente na agronomia. “Foi uma intensa mobilização, que envolveu várias entidades locais e nacionais como CONFAEAB, CONFEA, FNE, Associações de Engenheiros Agrônomos, Entidades estudantis, profissionais associados do SENGE, entre outros, e culminou com a redação de documento elaborado pelas Câmaras Especializadas de Agronomia dos CREA's, reunidas em Santarém, no Pará.  O documento foi postado no site do MEC por entidades de classe, faculdades e pela categoria em geral, em nível nacional”, ressalta o presidente do Sindicato, José Luiz Azambuja. Ele alerta que os engenheiros devem continuar atentos e mobilizados, através de suas entidades representativas, e do sistema CONFEA/CREAs, acompanhando com atenção as mudanças propostas pelo MEC. “Na proposta  intitulada “Construção dos Referenciais Nacionais dos Cursos de Graduação – Bacharelados e Licenciaturas Engenharias”, que está no site do MEC, o referencial para o curso de Agronomia, indica que o Agrônomo, por exemplo,  terá áreas importantes da sua atual formação profissional retiradas do currículo, o que determina significativa redução de atuação em áreas que o Engenheiro Agrônomo sempre atuou e que doravante ficariam restritas aos cursos de engenharia agrícola, florestal, zootecnia, perdendo também formação em geoprocessamento e topografia. Se não houver participação efetiva dos profissionais, o risco de mudança de perfil profissional é muito grande e, poderá representar prejuízos insanáveis futuramente”, assegura o presidente do SENGE-RS.

A estratégia foi multiplicar o documento que analisa a situação do profissional de agronomia via rede de contatos na web, gerando grande volume de postagens. O documento especifica o perfil do profissional de agronomia indicado pelas entidades de classe, os temas que devem ser abordados em sua formação, as áreas de atuação, e as justificativas da proposta apresentada. Para ler o documento postado na íntegra, clique aqui.

Leia Também