SENGE mobiliza servidores e cobra proposta da CORSAN

A paralisação das atividades ocorreu como forma de enfrentamento ao descaso da Companhia e do Governo do Estado na condução das tratativas do Acordo Coletivo.

 

 

Os diretores Tadeu Rodriguez, Alexandre Wollmann, Diego Mizette Oliz e João Leal Vivian participaram, na manhã dessa terça-feira (15), da mobilização realizada em frente à sede da CORSAN. A paralisação das atividades é uma forma de enfrentamento ao descaso da Companhia e do Governo do Estado na condução das tratativas do Acordo Coletivo. As entidades sindicais estão unidas no manifesto, em repúdio ao desrespeito aos servidores.

Na ocasião, também foi entregue ao diretor Financeiro da CORSAN, Jorge Luís Costa Melo, documento em que as entidades sindicais cobram uma proposta concreta da empresa para ser levada à deliberação da categoria com vistas ao acordo coletivo, transcorridos já 4 meses da data base. O texto é assinado pelo SENGE, SINDIÁGUA, SINTEC, SINDAERGS, SCPA, SINDITEST, SINQUIRS, SIPERGS, SINDARS, SINDIJORS, SAERGS, SASERS, SINDIBIO e SINDECON.


Diretor do SENGE, Diego Oliz, diretor Financeiro da CORSAN, Jorge Luís Costa Melo, e presidente do SINDIÁGUA, Leandro Almeida

O encontro também ratificou a união entre os sindicatos tanto nas negociações com a CORSAN, quanto na mobilização conjunta em combate aos ataques sofridos pelos trabalhadores nos âmbitos estadual e federal. Frente a isso o SENGE vem articulando por meio de diversas iniciativas que visam a defesa da Engenharia e dos quadros técnicos na administração pública. Destaque para o apoio do Sindicato à Frente Parlamentar pela Manutenção e Fortalecimento da CORSAN como empresa pública, iniciativa que se repete também em defesa da CEEE, CRM e Sulgás.

Leia Também