Notícias

A importância das fundações e estatais gaúchas no Polo Carboquímico

Na coluna Palavra do Engenheiro publicada pelo Jornal Minuano, de Bagé, o Sindicato dos Engenheiros critica o ataque do governo do estado às fundações, às empresas públicas e seus quadros técnicos, e aborda a necessidade de se utilizar a ciência e a tecnologia em favor do desenvolvimento do RS. “É preciso aproximar e fortalecer ainda mais essas instituições e suas competências específicas como resposta do estado e da sociedade gaúcha às demandas para o desenvolvimento.”

A importância de fundações para o desenvolvimento do RS foi o tema da coluna Palavra do Engenheiro, publicada nessa semana pelo Jornal Minuano, em Bagé. No texto, o Sindicato alerta que o desprezo à ciência e à tecnologia demonstrado pelo Poder Executivo custará caro demais para a sociedade.

O governo do estado, que por meio de um projeto de lei criou a Política Estadual do Carvão Mineral e instituiu o Polo Carboquímico do RS, persiste abrindo mão de quadros técnicos altamente especializados que poderiam aplicar a expertise necessárias nas políticas públicas propostas pelo projeto.

“As fundações e as empresas públicas possuem corpo técnico qualificado para trabalhar na implementação e apoio à instalação de empreendimentos carboquímicos, assegurando requisitos de viabilidade técnica e econômica, com idoneidade e compromisso social e ambiental”, afirma.

Clique e leia o texto na íntegra.

 

Imprima esta página